Menu

Notícias

09h00

Investimentos: Desempenho do 1º trimestre de 2022

Compartilhe
Tamanho da Fonte

O primeiro trimestre do ano foi marcado pelo início da flexibilização das máscaras no Brasil, instrumento importante no controle da pandemia pelo COVID-19. A inesperada guerra entre Ucrânia e Rússia veio para acirrar o cenário de instabilidade no mundo causado pela pandemia, trazendo uma nova preocupação para o setor de commodities e inflação global. No mercado acionário o IBOVESPA apresentou uma variação de 14,5%a.a. nesse primeiro trimestre do ano, sendo o principal incentivo, o grande fluxo de estrangeiros nos País.

No mercado de juros, o BACEN – Banco Central do Brasil, explicou na sua ata da reunião de 15-16 de março, a mais recente elevação da taxa SELIC, explicando que “... No cenário externo, o ambiente se deteriorou substancialmente. O conflito entre Rússia e Ucrânia levou a um aperto significativo das condições financeiras e aumento da incerteza em torno do cenário econômico mundial”. O BACEN elevou a SELIC de 10,75%aa para 11,75%aa, com viés de alta, antevendo outro aumento de mesma magnitude já na próxima reunião que deve acontecer em 3 e 4 de maio de acordo com o calendário para 2022.

Com relação à inflação no Brasil, o último relatório FOCUS/BACEN do trimestre, 25 de março de 2022, mostrou que a trajetória do IPCA reflete uma pressão inflacionária onde a projeção do índice se encontra em 6,86%aa para 2022 ante uma projeção no início do ano de 5,03%, evidenciando assim que a meta para inflação em 2022 não deve ser batida. O IPCA apresentou uma variação de 3,20% nesse primeiro trimestre de 2022.

Conforme gráfico abaixo, no  Plano Básico, fechamos o 1º trimestre do ano com um resultado de -R$15.442.303,05. A rentabilidade dos investimentos do Plano nesse período foi de 4,45%, indicando um rendimento de -0,22% abaixo da meta, INPC+4,98% a.a., que se encontra em 4,68%.
 


Ainda no 1º trimestre de 2022, sobre as OFND - Obrigações do Fundo Nacional de Desenvolvimento, depois de intensas negociações, no final de março, com a chancela do Tesouro Nacional, houve convergência de interesses e um acordo foi viabilizado pela ABRAPP. A BASES aguarda as conversas com a PREVIC, para que os recursos dos precatórios sejam contabilizados o mais breve possível como ativos do Plano Básico ainda em 2022, o que contribuirá de forma positiva no resultado do Plano. 

Para o Plano Misto, conforme gráfico abaixo, fechamos o 1º trimestre do ano com um resultado de -R$18.616.076,98. A rentabilidade dos investimentos do Plano nesse período foi de 4,50%, indicando um rendimento de 0,04% acima da meta, INPC+4,98% a.a., que se encontra em 4,46%.


 


Entendemos que ainda nos encontramos num cenário de cautela, uma vez que 2022 é um ano de eleição e o país se encontra polarizado quando o assunto é eleição presidencial, o status de pandemia continua, o conflito entre Rússia e Ucrânia deve perdurar e a pressão inflacionária está a nível mundial, portanto, devemos nos manter atentos aos desdobramentos do cenário global, para que possamos permanecer no caminho em busca do equilíbrio dos Planos de Benefícios e prosseguir com os pagamentos das aposentadorias de forma consistente como a BASES vem fazendo a 36 anos de sua existência.     

Deixe seu comentário:
Fundação Baneb de Seguridade Social - BASES
End: Rua da Grécia, nº8 • Ed. Serra da Raiz, 9º andar
Comércio • CEP: 40010-010 • Salvador - BA
bases@bases.org.br
dpo@bases.org.br
Fale com:
Seguridade 71 99728-5084
71 99690-4465
71 3319-6301
71 3319-6302
71 3319-6304
Empréstimo 71 99980-1712
71 99690-6732
71 3319-6310
71 3319-6311
71 3319-6313
Secretaria 71 99671-1540
71 99696-1019
71 3319-6300
Bases
2016 - 2022. Bases. Todos os direitos reservados.
Produzido por: Click Interativo - Agência Digital
Para obter mais informações e detalhes sobre como tratamos dados pessoais, consulte nossa POLÍTICA DE PRIVACIDADE